Jane, A Virgem: o dramalhão mais divertido da atualidade

Sabe aquela série que você assiste o primeiro episódio e acha meio “bleh”? Então, eu assisti  Jane, The Virgin e não me apaixonei, no entanto, por uma sorte muito grande, recentemente eu insisti nessa série e finalmente DEU MATCH!

t4uq5i5g9lom
Cartaz da série.

SINOPSE: Jane é uma jovem religiosa que trabalha como garçonete em um hotel em Miami e tem sua vida virada de cabeça para baixo quando sua médica acidentalmente faz uma inseminação artificial nela. Agora, Jane precisa tomar a maior decisão de sua vida.

O piloto da série não me convence tanto porque fazer inseminação artificial na paciente errada é um erro médico gravíssimo e uma clínica série nunca faria isso. Porém, depois de conhecer melhor a médica que comete o erro e entender que esse acidente foi só o impulso da série, eu ignorei esse detalhe e fui me encantar com tamanha criatividade e diversidade numa série americana.

Antes de qualquer coisa, é preciso deixar claro que essa série é uma adaptação da telenovela venezuelana Juana, la virgen (2002). Eu não acompanhei a novela, mas a série é bastante fiel aos clichês de novelas, o que dá um charme ao programa.

gina-rodriguez-never-had-sex-jane-the-virgin
“Mas eu nunca fiz sexo!”

1) Representatividade Latina

Pra quem está acompanhando o que tem acontecido em Hollywood sabe que muitas celebridades estão falando abertamente sobre os abusos, machismo e a falta de punição aos opressores. Além disso, existem outras reivindicações, como uma maior diversidade na frente e por trás das câmeras.

Ou seja, ninguém aguenta mais ver macho hetero branco sendo protagonista porque o mundo vai além de macho branco. Sendo assim, uma maior diversidade seria dar protagonismo as mulheres, aos negros, personagens LGBTQ e de outras nacionalidades, por exemplo.

Com isso, acredito que a série Jane, A Virgem teve êxito nesse quesito, pois a protagonista é uma jovem mulher, interpretada pela atriz Gina Rodriguez, que vive com sua mãe e sua avó, é descendente de venezuelanos e todas falam espanhol. Aliás, a avó só fala a língua espanhola e nada de inglês.

201501-dyan-tv-column-4-gif-04
Aleluia mesmo!

2) Além dos esteriótipos

Para quem está acostumado com novelas sabe que esse tipo de narrativa usa e abusa de esteriótipos e isso é cansativo. Apesar de Jane, The Virgin ser carregado de esteriótipos, a trama usa isso como artifício de humor e, em alguns casos, para nos fazer refletir.

Por exemplo, a Alba (Ivonne Coll), avó de Jane, entrou ilegalmente nos EUA e ela teme que o governo descubra e a deporte. No entanto, o público se encanta com a “abuela” e a gente começa a entender o lado humano e toda vez que ela corre o risco de ser deportada, a gente sofre junto com ela e torce para que isso não aconteça.

jtv_ch8_alba_1
Sim, sim, é amor por você Alba.

Além disso, Alba é uma mulher absurdamente religiosa e foi justamente ela quem convenceu Jane a se casar virgem. Porém, ao mesmo tempo em que é bastante conservadora, ela quebra tabus quando se trata de amor e família, pois sua filha e mãe de Jane, Xiomara (Andrea Navedo), engravidou aos dezesseis anos de idade e criou a filha sozinha com a ajuda da mãe.  Eu não resisto quando tem um núcleo de família em que mãe, filha e neta são super próximas e o porto seguro uma da outra.

giphy (1)
Suas lindas!

3) Mulheres independentes

Falando na Xiomara, a história dela é muito interessante também. Ela engravidou muito nova, contou ao rapaz e ele pediu que ela fizesse um aborto, só que ela seguiu o caminho oposto e criou sua filha sem ajuda nenhuma do pai.

Ademais, ela é aquele mulherão que conquista os homens e ela aproveita isso bastante. Ao longo dos anos, Xiomara se relacionou com vários homens e teve poucos relacionamentos sérios, por escolha própria. Numa sociedade tão conservadora quanto a nossa, essa personagem seria bem crucificada, mas o que a gente vê é uma mãe religiosa que apesar de criticar a filha, nunca a abandonou.

E claro, não posso me esquecer que o sonho de Xiomara é ser uma cantora famosa, mas como ela teve filha muito cedo acabou deixando este sonho de lado. No entanto, agora que sua filha já está crescida, ela continua atrás do seu sonho e a gente sofre com as rejeições que ela tem por ser uma mulher mais velha e torce para que ela tenha seu momento de brilhar.

giphy (2)
Você mesma, Xiomara!

Continuando a listinha, a própria protagonista é um ótimo exemplo de mulher independente. Ela acabou de se formar, não aceita os vacilos dos homens ao seu redor, mesmo quando está mega apaixonada, investe no seu sonho de ser escritora, optou por continuar virgem até o casamento – eu acho isso ótimo porque assim como a mulher tem o direito de transar quando achar que deva, ela também pode fazer essa escolha de se resguardar, cabe a cada mulher (homem também) decidir a hora certa de perder a virgindade – e segue adiante enfrentando tudo o que vem pela frente.

Ainda, aproveito para fazer propaganda da atriz que interpreta Jane, a Gina Rodriguez. Ela luta bastante pela boa representatividade da cultura latina no audiovisual norte-americano, que insistiu por anos em usar esteriótipos ofensivos e repetitivos e agora está dando voz a várias culturas que merecem esse espaço.

tumblr_ni1k0bgyfy1s6z4zdo3_500
“Esse prêmio vai além de mim. Ele representa uma cultura que quer se ver como heróis.”

Para não falar de todas as personagens mulheres que existem na série, vou terminar a listinha com a Petra Solano (Yael Grobglas).

A Petra é a vilã e rival de Jane, sim ela é um estereótipo que eu particularmente detesto, pois faz de tudo para manter seu homem e ter dinheiro. Entretanto, há algo que eu gosto bastante nessa personagem que é o passado dela e os relacionamentos abusivos que ela vive e como é IMPORTANTE debater isso.

Não irei adentrar na história dela porque seria um baita spoiler, mas direi o seguinte: ela se envolve com homens muito agressivos e vive relacionamentos absurdamente abusivos e, mesmo sendo a vilã da história, a gente sente a dor dela na pele quando ela passa por algum tipo de agressão física ou verbal. A verdade é que homem NENHUM tem o direito de encostar o dedo em alguma mulher de forma violenta ou sem a autorização dela e, independente de ser amiga ou não da mulher em questão, sempre a defenderei de homens machistas que merecem estar na cadeia.

giphy (3)
Feminismo sempre!

4) Representatividade LGBTQ

Apesar de não ter muitos personagens LGBTQ, ao menos não na primeira temporada, o casal Rose (Bridget Regan) e Luisa (Yara Martinez) foge de muitos esteriótipos que estamos acostumados a ver sobre lésbicas.

A história delas é tão louca quanto a do casal protagonista, mas não existe homofobia ou queerbaiting*. Rose é casado com o pai de Luisa, porém elas se envolveram antes de saber desse detalhe e acabaram se apaixonando de verdade.

É difícil falar desse casal sem dar spoiler, no entanto, o que eu acho legal é ver duas mulheres lindas que realmente se apaixonaram uma pela outra e tentam viver essa paixão de alguma forma. Como nenhum casal é normal nessa série, acho mega válida a história delas e AMO todas as cenas em que elas aparecem juntas!

Rose-jane-the-virgin-37722173-500-230
Rose e Luisa.

5) Os homens da série

É complicado falar de macho sem se decepcionar, ainda mais com tudo o que tem acontecido em Hollywood, todavia, eu gostaria de dar destaque a alguns personagens masculinos.

Vamos começar pelo Michael Cordero Jr. (Brett Dier).

tumblr_nog0cqUnsD1qe40x5o1_500.gif
Michael e Jane.

Ele é um policial, todo certinho, completamente apaixonado pela namorada, que é a Jane e, o que eu acho mais incrível, é que eventualmente ele aceita o fato de que Jane decidi continuar com a gravidez – mesmo tendo sido um erro médico e não sendo filho dele – e ele não age de forma agressiva com ela, como muitos homens agiriam no lugar dele.

Sim, esse personagem comete erros e faz umas machices que cansam, mas ele nunca usa a força física para se impor ou tentar diminuir Jane ou as mulheres a sua volta e, por isso, eu tenho que parabenizá-lo. No mundo em que vivemos, o que eu mais vejo são personagens masculinos, policiais ou não, absurdamente agressivos e grosseiros e ver um que foge desse padrão me deixa contente.

Como ainda estou na primeira temporada, não sei se há alguma mudança brusca no comportamento dele, mas até agora eu gosto bastante da forma como ele age e acho fofo o quanto ele é apaixonado pela Jane.

Agora, vamos ao Rafael Solano.

giphy (4)
Rafael Solano

O maior playboy, filhinho de papai, mas que durante sua jornada na trama tem uma evolução de caráter muito grande. Digamos que ele era o típico Joey e Barney (só que bonito) e isso desanima bastante, porém ele tem câncer e descobre que somente poderá ter filhos com a amostra de esperma que foi acidentalmente inseminado na Jane, ao invés de sua namorada.

A temporada vai seguindo e ele passa a enxergar Jane de um jeito diferente, se apaixonando e se transformando num cara determinado a esperar pelo casamento para finalmente transar com ela, ser pai e constituir uma família.

Acontece muita coisa doida na vida dele, então é possível entender alguns surtos que ele tem, mas eu gosto do jeito que ele vai amadurecendo e melhorando na narrativa.

Por último, o personagem masculino que mais me diverte, Rogelio de La Vega (Jaime Camil).

Rogelio-From-Jane-Virgin-GIFs
Sou eu mesmo.

Rogelio é um ator famoso de telenovelas que só fez sucesso depois dos trinta e nove anos, absurdamente dramático e pai biológico de Jane. Na época, ele não ficou sabendo que Xiomara continuou com a gravidez e só soube da existência de sua filha quando ela já tinha vinte e três anos de idade. Assim, ele decide recuperar o tempo perdido e dá uma de “paizão”.

Apesar do desastre que ele é, fazendo tudo de uma forma épica e exagerada, eu acho muito fofo o jeito que ele se encanta pela filha e como se esforça pra recuperar o tempo perdido. Além disso, ele acaba se apaixonando de novo pela Xiomara e eu AMO o casal Xiomara e Rogelio. É o núcleo mais divertido da série e pra quem gosta de “draminha”, vulgo mimimi, vai se divertir horrores com eles dois.

E claro, por fim, quem interpreta a mãe do Rogelio é a atriz Rita Moreno, a “abuela” de One Day at a Time, deusa, maravilhosa, mais amada do Netflix, que eu falo no meu post anterior.

tumblr_o8iqhox3Ix1ukt1i2o3_400
Rogelio e Xiomara.

Sendo assim, assistam a série e não julguem sem pelo menos assistir a primeira temporada, pois Jane, The Virgin é uma série de comédia incrível!

4685f8370adb1e06b786e6136984f93d--jane-the-virgin-cast-tv-series
Elenco principal da série.

*queerbaiting – uma estratégia midiática utilizada na indústria do entretenimento para atrair o público que foge do padrão da cis-heteronormatividade. Ele se concretiza quando há alguma espécie de tensão sexual ou romântica entre personagens do mesmo gênero, tendo o intuito de tornar a produção representativa, mas sem desagradar a parcela conservadora da audiência.

One Day At A Time: a sitcom mais incrível da atualidade

Preciso compartilhar com o mundo minha mais recente descoberta na Netflix, a sitcomOne day at a Time.

Música tema e abertura da série, cantada pela Gloria Estefan.  É uma das poucas séries que eu faço questão de assistir a abertura de todos os episódios porque eu fico dançando também.

A série conta a história de uma família de cubanos que mora nos EUA. A “abuelita”/Lydia, interpretada pela rainha Rita Moreno, foi embora de Cuba muito cedo, devido aos problemas políticos, deixando parte de sua família para trás e começando uma nova nos Estados Unidos.

Apesar da perda, a narrativa nos leva para uma nostalgia muito grande por parte da avó, onde aprendemos e sentimos de perto sua dor, além de nos trazer problemas bastante atuais com a história dos netos e da filha.

One day at a time é um remake* de uma sitcom com o mesmo nome. A série foi exibida entre os anos de 1975 – 1984 no canal CBS no EUA, tendo um total de nove temporadas.

600x600bb-85
Cartaz da série original.

A série original contava a história de Ann Romano (Bonnie Franklin), uma mulher recém divorciada que se muda para a cidade de Indianapolis com suas duas filhas.

Apesar de ser uma série antiga, ela também abordava assuntos bastante delicados pra época, como uma mulher divorciada que, ao mesmo tempo em que quer educar as filhas, quer dar a liberdade que ela nunca teve quando mais nova.

O remake da Netflix segue o mesmo caminho, atualizando os papeis dentro da família e alguns temas abordados.

1) Lydia ou “Abuelita” (Rita Moreno)

odaat_109_unit_01921_r-h_2017
Rita Moreno como Lydia.

Quem é a melhor personagem e porque é a “abuelita”?

Sinceramente, nem sei como começar a falar dessa personagem. Eu amo a Lydia de todas as formas! Ela é absurdamente engraçada, mas também nos faz chorar toda vez que ela relembra seu passado, é conservadora, mas aceita toda a diversidade que está presente em sua casa, ela faz drama, drama, drama, ou seja, ela é simplesmente incrível.

Eu tenho esse carinho especial pela “abuelita”, pois a associo com pessoas da minha vida, como minhas tias por parte de pai. Assim como Lydia, minhas tias eram musas inspiradoras quando jovem, os homens babavam por elas – e babam até hoje – e foram mulheres absurdamente corajosas e guerreiras, então não tem como eu não me apaixonar por essa personagem. Tudo nela é encantador e é só ela abrir a boca que eu já estou rindo com suas maluquices.

Para não ficar uma hora falando desse amorzinho de pessoa, vou fechar com uma notícia que enche meu coração de alegria. A atriz que interpreta a Lydia é ninguém mais, ninguém menos, que Rita Moreno. Moreno é uma atriz, cantora e dançarina porto-riquenha, ganhadora do Oscar, Emmy, Grammy e Tony, que tem 86 anos de idade e esbanja juventude, talento e carisma. Quer mais o quê?

Vídeo feito pela Netflix em homenagem a carreira de Rita Moreno.

2) Penelope (Justina Machado)

justina-machado-one-day-at-a-time
Justina Machado como Penelope.

Penelope é filha de Lydia, nascida nos Estados Unidos e ex-veterana de guerra. Quando sua filha mais velha, Lena, nasceu, ela e seu ex-marido decidiram se realistar no exército devido ao ataque terrorista de 11 de setembro em Nova Iorque. Anos depois, ela voltou para o EUA e, atualmente, mora com os filhos e a mãe em Los Angeles, onde trabalha como enfermeira.

Essa personagem tem uma trajetória muito interessante e quanto mais a gente conhece a história dela, mais nos apaixonamos por ela. Penelope está em processo de separação do marido por vários motivos pesados e agora cuida dos filhos com a ajuda da mãe, mas é ela quem banca os custos da casa.

Ou seja, além de ser mãe solteira e ter que lidar com todas as dificuldades que vem com esse papel, Penelope também lida com sua depressão pós-guerra. Ela toma anti-depressivos e faz terapia, mas a gente vê de perto a dificuldade que é enfrentar tudo isso e manter um sorriso estampado no rosto. Eu simplesmente adoro a veracidade dessa personagem e a força dela como mulher independente num mundo tão machista quanto o nosso.

3) Elena (Isabella Gomez)

13-gomez-one-day.w710.h473
Isabella Gomez como Lena.

Porque ela é a segunda melhor personagem e eu a AMO tanto? Talvez seja porque Lena é FEMINISTA, MARAVILHOSA, luta pela diversidade e é contra o privilégio dos homens brancos heteros. Ela é o pacote completo da perfeição e só não é a minha favorita porque a “abuelita” me ganha toda vez que acorda dançando.

A primeira temporada mostra a descoberta da sexualidade de Lena de uma forma extraordinária. A personagem começa a questionar se ela gosta de meninas ou meninos e vai descobrindo aos poucos, de uma forma muito bastante sincera. Eu sou completamente apaixonada por essa personagem e pela narrativa abordar a homossexualidade de uma forma natural e acolhedora. Para mim, a série vale só pela jornada da Lena.

Além disso, Elena é uma personagem muito fiel as meninas e mulheres que estão cansadas de serem diminuídas por causa do seu gênero e por isso abraçam o feminismo. Eu AMO essa personagem e a riqueza que vem junto com ela. Por favor, que venham mais Lenas na televisão, no cinema, na música, no MUNDO.

odaat13
“Ei ,mãe, eu acho que gosto de garotas.”

4) Alex ou “Papito” (Marcel Ruiz)

marcel-ruiz-1483731967
Marcel Ruiz como Alex ou “Papito”.

Pra quem tem um irmão, seja mais novo ou mais velho, sabe o que é ter um “Papito” na sua vida. Que menino mimado, senhor! A avó não cansa de elogiar o Alex e dizer o quão especial ele é e deixa a Lena de lado. Apesar de ser engraçado, eu vejo muito isso ao meu redor, onde só por você nascer homem, sua família automaticamente te enxerga como alguém especial.

Felizmente, isso tem mudado bastante. Com Lenas vindo por aí, dou alguns anos para os paparicos virem tanto para meninas quanto meninos, cis ou trans, heteros ou gays, não importa. Todo mundo tem um quê de especial e os privilégios vão acabar, eu tenho certeza disso.

No entanto, eu admito que na segunda temporada o Alex tem um salto gigante na narrativa e ele começa a enfrentar a xenofobia* na escola, ou seja, por ele ser descendente de cubanos, ele é ofendido o tempo todo. É muito incrível a forma como a série aborda esse assunto e, pela idade dele, eu fico boba quando ele dá uma banho de ensinamento na mãe e na avó ao aceitar super bem o fato da Lena talvez gostar de meninas assim como ele.

Tomara que os meninos que estão vindo por aí aprendam com esse personagem e deixem de lado essa mania de querer socar tudo e achar que pra ser homem é preciso esconder sua dor. Homens, por favor, se libertem do machismo assim como o “Papito”, ser homem não te impede de chorar, nem de ser sensível e nem de aceitar as diferenças dos outros, pelo contrário, está mais do que na hora dos homens entrarem na luta e acabar de ver com o machismo da sociedade. Juntos somos mais!

5) Schneider e Dr. Berkowitz

The Music Center's Summer Soiree, Arrivals, Los Angeles, USA - 07 Jul 2016
À esquerda, Todd Grinnell (Schneider), e a direita Stephen Tobolowsky (Dr. Berkowitz).

Eu queria dedicar uma seção para cada um desses personagens, mas devido a todas as acusações em Hollywood, temo estar dando espaço para quem não merece. No entanto, como esses dois personagens são muito especiais, não vou deixar de falar deles.

O Schneider é um canadense que mora nos EUA há anos e é dono do prédio em que a família da Penelope mora. Ele é um homem branco hetero mega privilegiado, mas que aos poucos vai entendendo, mesmo que MUITO DEVAGAR, o quão privilegiado ele é e vai mudando a partir do momento em que entende as vantagens que ele tem sobre os outros.

Ele tem um passado com drogas e álcool que a série ainda não abordou muito a fundo, mas que a gente começa a entender sua trajetória quando ele fala da sua família, que não parece ser tão conectada quanto a família dos seus vizinhos cubanos. No entanto, ele tem um jeito muito sensível e acaba conquistando seu lugar na família cubana que ele tanto perturba.

Já o Dr. Berjowitz é uma figura! Sério, que personagem divertido. Ele é apaixonado pela Lydia, mas ela diz que pertence ao Berto, seu falecido marido, e deixa o médico na zona de amigo e ele leva de boa. Às vezes, eu torço por esse casal, mas ao mesmo tempo eu entendo que a “abuelita” não quer e fico feliz pela série abordar essa amizade inusitada e extremamente engraçada.

No geral, gosto muito desses dois personagens, pois são homens heteros fora da caixinha, visto que eles abraçam a diversidade, choram, são amigos e sensíveis, ou seja, o tipo de homem que a gente torce pra ver na vida real. Tomara que seja o começo de personagens masculinos assim na ficção e que a era do “macho fazendo machice” acabe de vez.

dance
Está esperando o que para começar a maratona?

*sitcom: comédia de situação, onde existem uma ou mais histórias de humor encenadas em ambientes comuns, como família, grupo de amigos ou local de trabalho.

*remake: refilmagem de algum filme ou série antiga.

 

 

13 Comédias criadas e protagonizadas por mulheres que você precisa assistir

E mais uma de bônus!

Eu já ouvi inúmeras pessoas, principalmente homens, dizendo que mulheres não são engraçadas. Isso é algo tão relativo, que se fizermos uma análise sobre esses comentários, claramente chegaremos a um dos maiores problemas da nossa sociedade: o machismo.

No entanto, pra rebater esse pensamento, simplesmente darei dicas e exemplos de séries de comédia, criadas e/ou protagonizadas por mulheres, que fizeram e ainda fazem muito sucesso e merecem nossa atenção.

1) Ally Mcbeal (1997 – 2002)

70157513
Ally Mcbeal (Calista Flockhart) e o elenco.

Ally, uma série do final dos anos 90, criada por David E. Kelley.

O motivo de eu colocá-la na lista é porque, pra uma comédia dramática da década de noventa, ela é espetacular e quebra tabus, mesmo que de uma forma suave, além da personagem principal ser a pessoa mais desajeitada, fofa e independente possível.

A série tem como trama a vida pessoal e profissional de Ally Mcbeal (Calista Flockhart) que começa a trabalhar num famoso escritório de advocacia em New York, onde reencontra o amor de sua vida, Billy Thomas (Gill Bellows), agora casado com Georgia Thomas (Corutney Thorne-Smith). A cada episódio temos um caso de justiça diferente que abordam assuntos interessantíssimos, como o machismo e o assédio dentro do trabalho, por exemplo.

Ademais, Ally trabalha no mesmo lugar que Billy e Georgia e, ao invés de gerar uma rivalidade feminina, como normalmente retratam, Ally e Georgia se estranham no começo, mas logo se dão bem e, a partir disso, a protagonista consegue se libertar do que sente pelo ex e seguir em frente.

E claro, não podemos deixar de falar sobre a amizade de Ally com sua colega de quarto, a também advogada, Renee Raddick (Lisa Nicole Carson). As duas são mulheres independentes, com histórias incríveis e uma amizade muito forte.

9c9a487a08c08d88a3e948ee00efd49c-jpg
“Temos sorvete. Quem precisa de um cara?” Renee mandando a real para Ally.

O programa é de comédia, mas contém muito drama, inclusive o formato foge do padrão de 30 minutos, sendo cinco temporadas com 40/50 minutos, por episódio. Indico a série por milhares de razões e garanto que você assistirá e sonhará em ser uma advogada(o) da firma, porque no final do expediente, todos saem pra beber ao som da cantora Vonda Shepard ou de algum cantor famoso convidado.

2) Chewing Gum (2015 – 2017)

10224
Elenco da série.

Série britânica exibida pelo canal E4, criada e estrelada por Michaela Coel. Esse roteiro foge de tudo o que conhecemos sobre comédia.

A narrativa conta a vida de Tracey (Michaela Coel) e sua relação com a família e o namorado, extremamente religiosos. A protagonista tem 24 anos de idade e ainda não teve relação sexual, mas decide mudar isso, mesmo que não seja com o namorado. A Tracey é divertidíssima e toca em assuntos que são quase “proibidos” na nossa sociedade, como sexo, virgindade e religião.

É muito interessante ver como a protagonista lida com seus desejos, mas, tenta, a todo o custo, não decepcionar a família. Além do mais, sua melhor amiga, Candice (Danielle Walters), é o oposto dela e a ajuda bastante em sua nova fase de vida.

200-4
“Nosso querido e abençoado Salvador, eu preciso da coragem que você teve para contar a todos que era filho de Deus.”

Apesar de ter somente 6 episódios, a série lançará sua segunda temporada nesse ano e virá com tudo, pois Tracey está só começando sua aventura.

3) Divorce (2016 – 2017)

453_1024x411
Sarah Jessica Parker e Thomas Haden Church.

Uma das novas apostas do canal HBO, criada por Sharon Horgan e estrelada por Sarah Jessica Parker.

A história mostra o começo da separação e divórcio do casal Frances (Sarah Jessica Parker) e Robert (Thomas Haden Church), que após anos de casados, se descobrem infelizes um com o outro.

Ainda está na primeira temporada, com a segunda pra estreiar nesse ano novo, e aborda algo importante, como o divórcio, e como é difícil, porém normal, marido e mulher buscarem algo diferente depois de muito tempo juntos.

200
Estamos na torcida por essa série!

Além disso, essa série é outro exemplo de mulher protagonista que trai o marido, como eu havia comentado num texto anterior, e que tem dado muito certo. Eles tem dois filhos pequenos e agora terão que lidar com essa separação, sem que a família se desfaça por completo.

4) Faking It (2014 – 2016)

faking_it960x540-north
Karma Ashcroft (Katie Stevens) e Amy Raudenfeld (Rita Volk)

Série da MTV, criada por Carter Covington, Dana Goodman e Julia Lea Wolov.

Conta a história de duas amigas, Amy Raudenfeld (Rita Volk) e Karma Ashcroft (Katie Stevens), que decidem fingir ser um casal, para finalmente serem populares na escola. No entanto, Amy acaba se apaixonando por Karma e agora as duas terão que descobrir como manter essa amizade, sem que ninguém saia magoado.

Uma série que gira em torno do ensino médio, fase adolescente e de descobertas. É muito interessante por retratar a sexualidade dos adolescentes, em fase de questionamento, sendo que alguns já sabem do que gostam e não gostam, enquanto outros, ainda vão descobrir e está tudo bem. A questão é se permitir, sempre.

200w
Esse beijo, hein? Ai, ai.

Apesar de ter sido cancelada na terceira temporada e não ser perfeita em tudo, eu recomendo, pois ela é divertida e lida com a homosexualdiade e a bisexualidade na era moderna, em que existem tinders da vida e, assim como a relação heterosexual, são relações humanas, com altos e baixos, o tempo todo.

5) Girls (2012 – 2017)

girls-season-1-poster
Elenco da série.

Série da HBO, criada e estrelada por Lena Dunham.

A trama conta a história de quatro amigas, Hannah Hovarth (Lena Dunham), Marnie Michaels (Allisson Williams), Jessa Johansson (Jemima Kirke) e Shoshanna Shapiro (Zosia Mamet) e seus ganhos e perdas na vida pessoal e profissional.

O gênero segue o estilo de uma comédia dramática, pois vemos de perto as dificuldades das personagens na entrada da vida adulta e nos relacionamentos amorosos.

200-5
“Minhas circunstânicas mudaram e não posso mais aceitar trabalhar de graça.”

Além disso, ela aborda a sexualidade feminina, assim como Sex and The City (1998 – 2004) fez alguns anos atrás, como normal e livre, podendo, nós mulheres, fazermos o que quisermos, pois o corpo e as regras são nossas. Inclusive teve a polêmica cena do sexo oral por trás, uma sequência super rápida e maravilhosa e, a sociedade, como sempre, tentando regredir nossas conquistas. Mas não permitiremos isso! Vamos que vamos, rumo ao sucesso das mulheres, sempre! Inclusive na cama.

6) Grace and Frankie (2015 – 2017)

grace-and-frankie-on-netflix-streamteam
Jane Fonda e Lily Tomlin.

Original do Netflix, criado por Marta Kauffman e Howard J. Morris, indo para a terceira temporada.

A criadora, Marta Kauffman, ficou famosa depois da série Friends e, mais recentemente, lançou essa obra prima, estrelada por Jane Fonda e Lily Tomlin.

O argumento conta a história de Grace Hanson (Jane Fonda) e Frankie Bergstein (Lily Tomlin) que são surpreendidas por seus maridos. Os dois, Robert Hanson (Martin Sheen) e Sol Bergstein (Sam Waterston), melhores amigos e sócios há anos, assumem seu amor e relacionamento e se separam de suas mulheres. Agora, as duas terão que lidar com a separação, após anos de casamento e com as mudanças em sua rotina.

Eu adoro essa série por tantos motivos, mas o principal é por abordar a homosexualidade de uma forma muito natural, além de retratar o amor e o sexo na terceira idade da mesma forma, como normal e saudável.

Uma trama incrível, em que tanto o casal de homens, quanto as duas novas amigas, Grace e Frankie, surpreendem o público com suas reviravoltas e nos encantam com a forma como lidam com tantas modificações, sem deixar o preconceito da sociedade arruinar suas famílias e felicidade.

200-5
“Larga o microfone.”

Jane Fonda e Lily Tomlin, não só atuam, como também são produtoras excecutivas, e tem dado um show de interpretação e talento, mostrando que envelher pode ser tão bom quanto ser jovem.

7) Insecure

insecure-1349
Issa Rae no cartaz da série.

Outra aposta da HBO, lançada em 2016 e criada por Issae Rae e Larry Wilmore.

A trama segue a vida de Issa Dee (Issae Rae) e de sua melhor amiga, Molly Carter (Ivonne Orji), duas mulheres negras, lidando com profissão, vida amorosa e amizade.

A série é inspirada na websérie “The Misadventures of Awkward Black Girl” e é um marco para o canal televiso, pela temática central ser a vida de duas mulheres negras, de forma bastante humorada e inteligente.

Além disso, a personagem Issa não só é divertidíssima, como arrasa ao cantar raper. No piloto da série, numa tentativa de reviver momentos do passado e quebrar a monotomia de sua vida, ela sobe no palco e improvisa um rap. No entanto, Issa acaba magoando sua amiga, pois ela canta sobre um assunto pessoal de Molly, mas as duas se entendem ao final do episódio, mostrando que a amizade delas é o apoio principal uma da outra.

200-6
Quem tem amizade, tem tudo.

Está na primeira temporada e esse ano lançará a segunda. Issa Rae é uma das criadoras e estrelas do programa, ainda trabalhando como produtora excecutiva.

8) My Mad Fat Diary (2013 – 2015)

my-mad-fat-diary-poster2m
Elenco da série.

Segunda série britânica de comédia dramática da lista. Foi exibida no canal E4, baseado no livro My Fat, Mad Teenage Diary por Rae Earl – que também escreve para a série – e desenvolvida por Tom Bidwell.

A trama se passa nos anos 90, na cidade de Liconlnshire e gira em torna da vida de Rachel ‘Rae’ Earl (Sharon Rooney), uma adolescente com dificuldades em se aceitar, que passou quatros meses num hospital psiquiátrico, por tentativa de suicídio. Depois de deixar o hospital, Rae reconecta-se com sua melhor amiga, Chloe Gemell (Jodie Comer), e o grupo desta. Ninguém sabe dos problemas de saúde mental da protagonista e sobre sua permanência no hospital psiquiátrico.

Apesar de lidar com um tema tão complicado, como saúde mental e autoaceitação, essa série é maravilhosa. Eu adoro personagens aos quais podemos nos identificar com suas dores, mesmo que não as mesmas, e entendemos que todos temos dificuldades nessa vida.

A protagonista é simplesmente incrível e foge completamente do padrão, sendo uma de suas maiores dificuldades, a aceitação de seu corpo. A todo o tempo, ouvimos os pensamentos de Rae e entendemos seus problemas, além de rirmos com sua imaginação adolescente e louca.

200
“Não estou bem. Acho que não estou bem há anos!” Ninguém está, querida Rae.

Aos poucos ela vai se encaixando no novo grupo de amizade e se aceitando, ao mesmo tempo em que continua o tratamento com o psicólogo, onde temos diálogos fortes e emocionantes, e outros engraçadíssimos. Os efeitos visuais são hilários e a trilha sonora de adolescente dos anos 90, está imperdível.

Mesmo que você não esteja acostumado com a comédia britânica, que tem um humor diferente do que normalmente assistimos, essa série vale muito a pena por tratar de assuntos delicados e universais. A série teve somente três temporadas, de 6 episódios, cada.

9) New Girl (2011 – 2017)

new-girl-complete-second-season-dvd-40
Elenco da série no cartaz da segunda temporada.

Projeto do canal FOX, criado por Elizabeth Meriwether.

A narrativa gira em torno da vida de Jess Day (Zooey Deschanel), uma professora que adora cantar espontaneamente, que  pega seu namorado com outra mulher e precisa de um novo lugar para morar. Ela se muda para um estúdio, onde dividirá com três homens desconhecidos. Assim, terá que descobrir como lidar com as mudanças da vida, além de se relacionar com os seus colegas de quarto.

Um humor leve, inclusive a Jess é uma adorável professora, sempre positiva, que agora tem que lidar com essa “derrubada” da vida e receberá a ajuda de sua melhor amiga e seus novos roomates*.

200-6
“Eu gosto de cantar sozinha… bastante, por sinal.”

Já está na sexta temporada e, muitas coisas já aconteceram, mas vale a pena por fazer rir quando a gente menos espera e dar voz a uma protagonista mulher, com uma personalidade incrível.

10) Parks and Recreation (2009 – 2015)

2014_1215_parksandrec_aboutimage_1920x1080_cc
Amy Poehler como Leslie Knope.

Exibido pelo canal CBS e criado por Greg Daniels e Michael Schur.

Como falar dessa série que é o amorzinho dos amorzinhos?

Primeiro que é estrelado por Amy Poehler que interpreta a amada Leslie Knope, aquela pessoa fofa e positiva que trabalha na prefeitura de Pawnee (Indiana) e faz tudo pela sua cidade natal.

Além disso, o elenco é bastante diverso, com personagem descendente de latino, descentende de indiano, negros e mulheres. Tem o formato de um falso documentário, com depoimentos dos personagens, que nos fazem rir alto.

A trama começa quando Andy Dwyer (Chris Pratt) sofre um acidente numa das obras abandonadas da prefeitura e Leslie Knope (Amy Poehler) faz de tudo para ajudá-lo, ao mesmo tempo em que tenta reconstruir o parque onde ocorreu o incidente.

A partir disso, seguimos o dia a dia na prefeitura da cidade de Pawnee, com a Leslie sendo a pessoa mais empolgada e os outros seguindo as maluquices dela. Seu chefe, Ron Swanson (Nick Offerman), vive de cara emburrada e não fala muito, mas é o melhor amigo da Leslie e ele é o fofo que você mais respeita e quer por perto.

200-8
Sim Ron, é você!

Além disso, temos Tom Haverford (Aziz Ansari) e Donna Meagle (Retta), que inventaram o famoso dia “Treat Your Self” – um dia especial em que eles cuidam de si mesmos, comprando e fazendo tudo o que querem. É muito amor por esse dia!

200-7
“Cuide de si mesmo.”

Temos a jovem “rebelde”, April Ludgate (Aubrey Plaza), que vive entediada no seu estágio, mas no fundo adora o pessoal e sempre os ajuda, mas nunca sorri e mantém a pose de rebelde séria.

O Andy, já mencionado, é um desmiolado que adora cantar e não faz nada da vida. Ele é o namorado da Ann, relação que não dá muito certo, e ao longo da série vai amadurecendo e tendo um crescimento muito bom como personagem. Inclusive, foi a partir dessa série que o ator Chris Pratt saiu, rumo ao estrelato, em Guardiões da Galáxia e Jurassic World.

E claro, não podemos esquecer da amada Rashida Jones, que interpreta Ann Perkins, uma enfermeira certinha que com o passar do tempo decide seguir suas próprias vontades, errando e acertando, com o apoio de sua mais nova melhor amiga, Leslie Knope. Rashida também é roteirista e tem projetos incríveis, como o filme Celeste and Jesse forever.

200-10
“Amiga é coisa pra se guardar…”

Quem não assistiu ao programa tem que parar TUDO e começar a série HOJE! A primeira temporada não é tão empolgante, mas a partir da segunda, a trama fica hilária e é interessantíssimo vermos a realidade, mesmo que fictícia, do trabalho governamental nos EUA. Aliás, spoiler super válido, tem um episódio que a Michelle Obama aparece e é maravilhoso.

CORRE PRA ASSISTIR!

11) The Mindy Project (2012 – 2017)

mindy-project-season-4-balloons
Cartaz da série, com Mindy Kaling.

A série teve suas primeiras temporadas transmitidas pela FOX e, atualmente, é exibida pelo canal de streaming, Hulu. Argumento criado e protagonizado por Mindy Kaling.

A série acompanha a vida pessoal e profissional da ginecologista e obstreta, Mindy Lahiri (Mindy Kaling), numa clínica em New York. A atriz e roteirista começou sua carreira na televisão, com a série americana, The Office, e tem no currículo sucessos como: Divertidamente (ela é a Nojinho).

Eu adoro esse programa porque a Mindy é absurdamente engraçada. O melhor de tudo é acompanhar o crescimento pessoal da protagonista que não aceita os padrões impostos à ela.

Ao longo das temporadas, Mindy toma decisões difíceis, mas você torce por ela o tempo todo. Além do mais, o pessoal da clínica são maravilhosos, e eu dou destaque ao Morgan Tookers (Ike Barinholtz), Tamra (Xosha Roquemore) e Beverly (Beth Grant).

200-7
Go Mindy, go Mindy!

Essa narrativa também é incrível, por ter como protagonista uma mulher fora dos padrões hollywoodianos, visto que Mindy é uma descentende de indiana, não é magrela e se aceita muito bem, além de escrever e produzir seu próprio show.

12) Veep (2012 – 2017)

557269_f2ca1486264e4b48888fe50ae46fa5f0
Julia Louis-Deyfrus como Selina Meyer.

Série da HBO, criado por Armando Iannucci.

A narrativa gira em torna da ex-senadora Selina Meyer (Julia Louis-Deyfrus), que aceitou o convite para servir como vice-presidente dos Estados Unidos. Vemos o cotidiano de Meyer e sua equipe, que tentam deixar sua marca e um legado duradouro, sem tropeçar nos jogos políticos que tomam conta de Washington.

O projeto já foi bastante premiado, inclusive, no último Emmy, recebeu várias estatuetas. Julia, além de atuar, também é uma das produtoras excecutivas. No seu discurso, do ano passado, além de homenagear o pai, já falecido, ela falou como a série a surpreende, por ser uma comédia, mas parecer tanto com a realidade da política americana.

200-11
Ficção ou realidade, hã?

13) 30 Rock (2006 – 2013)

30rocks6
Elenco da série no cartaz da sexta temporada.

Exibida pelo canal NBC, criada por, ninguém mais, ninguém menos, que Tina Fey.

Na série, acompanhamos os bastidores da sala de roteiristas de um programa de humor semanal e ao vivo. O projeto é baseado nas experiências da atriz e roteirista, Tina, quando trabalhou em Saturday Night Live.

Além disso, vemos a vida pessoal de Liz Lemon (Tina Fey), chefe dos roteiristas, uma pessoa que adora comer e ver televisão, que tem que provar aos colegas de trabalho que ela é a chefe e todos devem escutá-la.

Também vemos o dia a dia das estrelas do programa fictício, Jenna Maroney (Jane Krakowsky) e Tracy Morgan (Tracy Jordan), e suas bizarrices e mimos nos bastidores.

Alec Baldwin (Jack Donaghy) é o presidente da rede televisa e incorpora um empreendedor extremamente capitalista e de direita. A série contém diálogos incríveis, entre Liz e Jack, uma visionária e um conservador.

200-12
Troféu joinha!

Essa é outra série que é o amorzinho dos amorzinhos, simplesmente por ser criada pela amada e diva Tina Fey. Eu rio horrores com esse programa, todos os personagens são hilários e é incrível ver os bastidores de um show, exibido ao vivo. Ainda, aprendemos muito sobre o famoso writersroom*, que é uma sala onde um grupo de roteiristas discutem o que acontecerá no show.

30 Rock foi muito premiada, sendo Tina Fey nomeada várias vezes ao Emmy, pelo papel de Liz Lemon. Essa série é ótima pra ver uma protagonista que não entende nada dos padrões femininos e é o máximo por isso e dá as melhores festas, porque:

200-8
“Não existe festa como a festa da Liz, porque a festa da Liz é OBRIGATÓRIA.”

BÔNUS

Unbreakable Kimmy Schmidt (2015 – 2017)

586714
Ellie Kemper como Kimmy Schmidt.

Já que estamos falando dos trabalhos da Tina Fey, não posso deixar de mencionar sua série mais recente. Lançada pelo Netflix, Unbreakable Kimmy Schmidt foi desenvolvida por Tina e Robert Carlock.

A trama tem como protagonista Kimmy Schmidt (Ellie Kemper), uma das cinco mulheres resgatadas de um culto apocalíptico. Depois de anos vivendo num sótão subterrâneo, enganadas pelo religioso Richard Wayne Gary Wayne (Jon Hamm), elas são finalmente achadas pela polícia. Assim, Kimmy decide ver o lado positivo da vida e resgatar todos os anos perdidos, indo morar na cidade de New York.

O humor é bastante sarcástico e o roteiro dá várias alfinetadas na alta sociedade nova iorquina. Em Manhattan, Kimmy divide apartamento com Titus Andromedon (Tituss Burgess), personagem assumidamente gay, que tenta conquistar o sucesso no meio musical. A dona do apartamento, Lillian (Carol Kane), vive acima deles e luta contra as “conspirações” da sociedade.

200-2
Temos o famoso hit de Titus, “Pinoooot Nooooir.”

Além disso, a série também toca em assuntos delicados, como o machismo, racismo, homofobia, elitismo e fanatismo religioso. Na primeira temporada, os diálogos são fantásticos e as mensagens por trás deles, são incríveis. A segunda temporada se perdeu um pouco, mas acredito que a próxima virá cheia de novidades, com o humor irônico de sempre.

Assistam mais essa produção de Fey, porque vocês não vão se arrepender, nem que seja pra ver o Titus tendo aula de como ser um homem hetero ou a Kimmy, tentando achar bondade numa cidade grande, como NY.

200
“Você gritou, negou ajuda e quebrou alguma coisa. Essa é a primeira lição para se tornar um homem hetero.”

*roomate: colega de quarto

*writersroom: sala de roteirista