Steven Universe e Star vs As forças do mal: os desenhos animados que você TEM que assistir

Bom, faz um tempo que não escrevo aqui no site, pois estou na reta final da minha Pós-Graduação e tive que me ausentar.

No entanto, como eu faço Pós-Graduação em Roteiro para Cinema e Televisão e meu trabalho de conclusão é uma série de comédia teen voltada para o público LGBTQ, eu tenho assistido e investido muito em conteúdos parecidos para usar como referências no meu trabalho.

Sendo assim, eu vim aqui falar de duas animações televisivas que me encantaram e merecem demais a nossa atenção, justamente por abordar assuntos delicados de uma forma tão sensível e divertida: Steven Universe e Star vs As forças do mal.

1) Steven Universe

steven-universe-key-art_7755
Cartaz do desenho animado “Steven Universe”.

Steven Universo (Steven Universe) narra a trajetória de Steven, um menino de doze anos, metade humano e metade Gem, que vai morar com as outras Gems: Pérola, Garnet e Ametista.

As Gems são criaturas de outro planeta que resolveram ficar e proteger o planeta Terra, influenciadas pela Rose, mãe de Steven. No entanto, Rose se envolve com Greg Universe, um humano da cidade fictícia Beach City, e eles têm um filho. Para que o filho possa viver, Rose tem de abrir mão da sua forma humanóide.

Assim, vemos como Steven lida com o fato de nunca ter conhecido sua mãe, além de aprender como controlar seus poderes e o que é ser humano.

E por quê essa história é incrível?

Primeiro por um motivo MUITO maravilhoso: o desenho foi criado por Rebecca Sugar e é a primeira animação do canal Cartoon Network desenvolvido por uma mulher.

É bizarro pensar que já estamos em 2017 e somente uma mulher teve a oportunidade de produzir uma animação no canal. Como eu já relatei em outros textos, infelizmente essa área ainda é muito dominada pelos homens, mas é justamente por isso que temos que parabenizar e valorizar o trabalho de mulheres como a Rebecca.

maxresdefault
Rebecca Sugar, criadora de “Steven Universe”.

Eu poderia ficar horas falando da Rebecca porque ela é animadora*, compositora, roteirista, diretora, maravilhosa, ela é GIRL POWER total. No entanto, eu vou focar no desenho, pois foi por isso que vim escrever.Como falar dessa animação que tem cinco temporadas e já ganhou meu coração? (Saudades dos depoimentos do velho Orkut*).

Antes de tudo, preciso dizer que apesar de ser uma animação voltada para crianças, a trama do programa é muito complexa e seria quase impossível explicar os detalhes sem dar spoiler* ou confundir vocês. Então, eu vou abordar somente alguns dos fatores que fazem o desenho ser maravilhoso.

200-8
Uma imagem vale mais que mil palavras, não?

Logo no piloto* da série a gente fica sabendo que a mãe do Steven não está mais entre nós e que ele vai morar com as outras Gems. Ou seja, é uma criança/adolescente de doze anos que tem que lidar com a perda da mãe.Até então, como ele não a conheceu não há uma dor muito profunda, mas como as outras Gems e o pai do menino sempre falam da Rose (mãe de Steven), volta e meia ele faz perguntas para entender o porquê ela deixou tanta saudade e por que ele não pode conhecê-la.

Além disso, a história de cada Gem é encantadora e muito particular. Seria bem difícil explicar os motivos pelos quais elas são maravilhosas, mas tentarei resumir as qualidades das personagens: Pérola, Garnet e Ametista.

A) Pérola

200
“Os humanos acham maneiras incríveis para gastar o tempo deles.”

A Pérola é a mais “certinha” do grupo e como ela é uma gem, ela não entende muitas coisas que os seres humanos fazem. Por exemplo, as gems não precisam de alimentos, então ela não compreende como que os humanos comem o tempo todo. Aposto que se ela provasse um açaí com granola e mel mudaria de ideia. Ainda, existem várias Gems que também são Pérolas, elas literalmente tem a mesma forma física e função no planeta Gem, mas foi com a Rose e no planeta Terra que a Pérola se sentiu única e por isso ela não a esquece de jeito nenhum. Mesmo que ela ame o Steven, como ele assumiu o lugar da mãe na Terra, a Pérola sente muita falta da Rose e de vez em quando tem umas crises existenciais bastante humanas, por sinal.

Eu amo essa personagem de todas as formas, até porque é com ela que eu me identifico mais. Essa entrega pelos outros, sua solidão e angústia, além da saudade que sempre a faz chorar por quem já se foi é explorada de um jeito lindo e muito poético.

B) Garnet

200w
Garnet.

A Garnet é literalmente puro amor. Como não quero dar spoiler não vou falar muito da narrativa dela, mas preciso dizer que é uma história muito especial e digna de conto de fadas da era moderna. Quando eu disse que ela é puro amor foi porque ela mesma fala que é feita de amor e a gente aprende bastante sobre respeito, amor e relacionamento com essa personagem. Aliás, o que é mais legal nela é que o amor que ela tanta fala é um sentimento que não vê cores, gênero ou sexualidade, é o amor da forma mais pura e honesta possível. Não é à toa que tem um episódio que a personagem canta uma música sobre o tema, chamada “Stronger than you (Mais forte que você)”.

No Estados Unidos é a cantora Estelle que dá voz pra personagem e suas lindas canções.

C) Ametista

200-2
Ametista e suas dancinhas maravilhosas.

A Ametista tem um passado distinto das outras, o que a faz se sentir diferente e um pouco “excluída” do grupo. Porém, com o passar das temporadas ela vai deixando o jeito “rebelde” de ser e a gente começa entender o porquê ela tem dificuldades em se abrir com os outros. Eu adoro a Ametista porque ela é o oposto da Pérola. Ela não precisa comer e come o tempo todo, ela não segue regras e adora se divertir com o Steven. É muito legal ver essa diferença das personagens que se completam de alguma forma.

Falando em se completar, Steven Universe fala muito de conexão. As Gems podem fazer fusões, ou seja, elas podem se unir com duas ou mais gems e virar uma só. No entanto, essa união tem que fazer sentido e as intenções têm que ser boas, senão elas sofrem demais e ficam mal após a fusão.

7_Opal
Opal, fusão da Pérola e Ametista.

Eu aconselho essa história porque mesmo sendo um desenho animado ela lida com assuntos delicados de uma forma extraordinária. A trama fala de perdas, relacionamentos (independente do gênero e sexualidade), amizades, amadurecimento, entre muitos outros assuntos e tanto um adulto quanto uma criança podem ver e se identificar. Tem muito mais coisas que eu poderia dizer, como a lindinha da Connie e sua amizade com o Steven, a relação do Steven com o pai hippie, mas eu fiz esse post só pra te provocar e quando você souber todos os mínimos detalhes a gente fofoca a respeito.

2) Star vs As forças do mal

VjkY2GjFBfY.market_maxres
Cartaz do desenho “Star vs As forças do mal”

A animação conta a história de Star Butterfly, uma princesa da dimensão mágina de Mewni que ao completar catorze anos ganha de seus pais uma poderosa varinha mágica, além de um livro de magias que contém todos os feitiços criados pelas antigas proprietárias da varinha.

No entanto, Star é péssima em usar sua varinha e seus pais a mandam para o Planeta Terra, onde ela deverá aprender a controlar seus poderes mágicos e ter responsabilidade.

Na Terra, ela fica hospedada na casa de Marcos Díaz, um descendente de mexicanos extremamente certinho e nerd. Juntos, eles lutam contra monstros que tentam a todo custo roubar a preciosa varinha e aprendem lições valiosas sobre amizade e responsabilidade.

Apesar de ser a narrativa de uma princesa e manter o tom de conto de fadas, o humor do programa é bastante ousado e as aventuras que Star vive são hilárias e a ensinam bastante sobre amadurecer e exercer o papel de futura rainha. Aliás, a própria Star é um “desastre” de princesa e é isso que a torna tão especial.

200-6
Star Butterfly, a princesa desastre.

Além disso, a amizade entre Star e Marcos foge de qualquer conto de princesas e mostra que é possível meninos e meninas serem melhores amigos sem segundas intenções. Eu adoro desenhos e filmes que abordam a amizade entre uma garota e um garoto de uma forma positiva, sem necessariamente eles terem que virar um casal no final.

Eu tenho muitos amigos homens e sempre me incomodou o fato das pessoas acharem que eu tinha algo romântico com eles ou vice-versa. Isso é uma besteira! Claro que poderia ser o caso, mas não era. Homens e mulheres podem e devem ser amigos e a gente tem que parar de achar que essa amizade não existe, ela existe SIM e Star e Marcos são a prova disso.

Tem muita gente que chipa* esse casal, mas até onde eu vi do programa eles são só amigos e eu AMO esse fato. O próprio Marcos tem uma crush* pela Jackie Lynn e a Star sempre o incentiva a puxar papo com Jackie e investir nessa história de amor.

Inclusive, tem um episódio em que Star e Marcos vão num show da banda preferida dela e eles cantam a música “Just Friends (Apenas Amigos)”. Eu ia dar um mega spoiler desse momento, mas não farei isso. Porém, não posso deixar de mencionar que essa cena foi a primeira cena de um desenho animado da Disney Television Animation que mostrou um beijo de um casal homossexual e isso é LINDO!

3738003616-disney-exibe-primeiro-beijo-gay-em-desenho-animado-reproducao-e1488371572704
Casal de homens se beijando em “Star vs As forças do mal”. MUITO AMOR POR ESSA CENA!

Ademais, um grande ponto do programa é a diversidade e a quebra de padrões. O Marcos é um descendente de mexicano nerd, a Star é uma princesa muito doida e que se mete em confusão, sua melhor amiga é um Pônei Colorido sem corpo, um dos vilões adota algumas “crianças” e vira pai solteiro, etc. Quer mais o quê pra eu te convencer que esse programa é único e maravilhoso?

200-7
Star e Pony Head te seduzindo pra assistir o programa.

Sendo assim, só posso dizer que essas duas animações me surpreenderam de uma maneira surreal. Eu já chorei em vários episódios do Steven Universe porque me emociona demais as histórias dos personagens e como eles lidam com suas perdas e ganhos. Já em Star vs As forças do mal, eu me divirto horrores com essa princesa maluca e me encanto com o fato de que ela é uma princesa, porém é dona de si, forte, comete erros e também acertos, se apaixona, mas não fica chorando por nenhum menino e aprende lições valiosas em cada episódio do programa.

VAI LOGO ASSISTIR ESSAS MARAVILHAS!

hqdefault
Steven e Star Butterfly.

*animadora: uma pessoa que trabalha com desenho animado.

*orkut: antiga rede social que fez muito sucesso entre os brasileiros.

*spoiler: é quando algum site ou alguém revela fatos a respeito do conteúdo de determinado livro, filme, série ou jogo.

*piloto: é o nome dado ao primeiro episódio de uma série televisiva.

*crush: alguém por quem temos uma queda ou paixonite.

*chipar: quando você torce que uma pessoa forme par com outra, ou seja, que eles formem um casal.

Tina Fey e o poderoso roteiro de Meninas Malvadas

Vamos deixar algo claro: eu, você, ela e a galera toda da década de 90/00 simplesmente amamos o filme Meninas Malvadas. Todo mundo ri, se identifica e, se deixar, ainda chora com algumas cenas, de tão associável com a nossa realidade no ensino médio.

No entanto, acredito que a maioria das pessoas avalie esse filme como uma comédia sem muita pretensão, a não ser entreter. Eu discordo dessa opinião e vou explicar meus motivos.

Em primeiríssimo lugar, o roteiro foi escrito por ninguém mais, ninguém menos, que Tina Fey, que teve como inspiração o livro Queen Bees & Wannabes de Rosalind Wiseman. Fey interpreta a professora Srta. Norbury, acusada de vender drogas no famoso livro/diário criado pelas populares, o “Burn Book”.

200

Quem não morria de medo de aparecer nesse livro, hã?

Eu digo isso porque os trabalhos da Tina, normalmente, vem com muitas mensagens subliminares, digamos assim. Desde suas esquetes em Saturday Night Live (1997-2010) até sua última série Unbreakable Kimmy Schimdt (2015-16), seu humor é bastante sarcástico e sempre tem umas alfinetadas na sociedade, alfinetadas essas, muito bem vindas, por sinal.

Com isso em mente, pelo o que entendo de roteiro, acredito que ela teve claras intenções com o projeto e obteve sucesso com ele. Quando um roteirista inicia um filme, ele segue algumas regras “universais”, para conseguir vender seu trabalho, além de envolver paixão e propagar mensagens, aos quais chamamos de TEMA, no univervo cinematográfico.

O tema do longa-metragem é: escola, relações e amadurecimento.

Diferentemente do filme Patricinhas de Beverly Hills, por exemplo, o argumento de Fey além de enfatizar todos os estereótipos que criamos na época da escola, ele nos mostra o quão mal eles nos fazem, dentro e fora do colégio. Sem desmerecer Patricinhas de Beverly Hills, que também é um excelente filme, mas só querendo marcar um ponto, dizendo que o filme dos anos 90 realmente é um projeto despretencioso e que nos faz refletir de qualquer forma, mas o dos anos 2000 nos impulsiona a refletir o tempo todo, desde a entrada de Cady Heron (Lindsay Lohan) na escola até o acidente com nossa amada inimiga Regina George (Rachel Mcadams).

Além do tema, outra ferramenta utilizada pelos roteiristas são os diálogos e os diálogos de Meninas Malvadas são maravilhosos e tem muita coisa nas entrelinhas. O maior exemplo disso é a fala da professora:

200-3

“Vocês tem que parar de chamar umas as outras de putas e vadias. Isso faz com que seja ok para os meninos chamá-las assim também.”

Você tem noção do quão poderoso essa frase é? É uma simples frase que vem carregada de tanta coisa, e claro, o roteiro não usa argumentos explícitos contra o machismo, mas está ali, embutido. Ela esta falando do machismo da nossa sociedade, que se inicia na infância e vai piorando na adolescência, fase em que nossa sociedade nos provoca a lutarmos umas com as outras, na maiorias das vezes, por homens dispensáveis.

Lembrando que o ódio a Regina George começou pela disputa entre o Aaron Samuels (Jonathan Bennet), certo? Os amigos de Cady tentam convencê-la de destruir a reputação de Regina, mas ela só aceita participar depois que a rainha da escola volta a namorar o Aaron.

200-4

Ele é lindinho, mas homem nenhum vale uma disputa, certo?

Bom, vamos aos fatos: Regina George não é a melhor pessoa do mundo. Ela gosta de ser o centro das atenções, acha que o mundo gira em torno dela e magoa a Cady de propósito, no entanto, a história nos deixa a questão: será que vale a pena essa guerra toda entre meninas?

No final, tanta coisa ruim acontece e tudo por causa de um rapaz – claro que não é só o boy magia, mas, no roteiro, o ato que impulsiona a protagonista a tomar atitudes é ele – e a eterna disputa entre mulheres, quando na verdade, devíamos nos unir. Lembram da nossa amiga do bolo de arco-íris?

200

“Eu queria poder fazer um bolo de arco-íris e sorrisos.”

Outro assunto relevante na trama é a polêmica do professor de educação física,Coach Carr (Dwayne Hill), que se relaciona com suas alunas adolescentes. Não é à toa que investigam a professora Norbury por tráfico de drogas, já que descobrem que a acusação ao professor era realmente verdade e é simplesmente muito errado um homem de mais de quarenta anos se envolver com alunas que são menores de idade. Uma das melhores cenas é ele correndo quando descobrem tudo, porque na hora do vamos ver, homem nenhum assume as responsabilidades dos atos criminosos né?

200-6

Então…

Continuando, a personagem Lizzy Caplan (Janis Ian) é outro exemplo excelente na comédia. Ela é uma menina que foge completamente do padrão e, justamente por isso, é acusada de ser lésbica pela famosa queen be. Seria ótimo se ela fosse lésbica, mas não é o caso da personagem, ela simplesmente não se veste e não assume uma postura feminina e, infelizmente, isso é motivo o suficiente para as más linguas a atacarem. Mas ela é a melhor personagem e nós a amamos por todos os tabus que ela quebra.

200-2

E esse terno maravilhoso, hã?

Aliás, o BFF (best friends forever) de Lizzy, Damian (Daniel Franzese), é assumidamente gay e o amamos também. Eu lembro que na minha época de colégio, infelizmente, quase não havia gays assumidos e o motivo é o mesmo de hoje em dia: homofobia. Atualmente as coisas estão mudando, aos poucos, mas só em vermos personagens incríveis como Damian, num filme de 2004, ficamos extremamente felizes pela representatividade, mesmo que não sendo a mais ideal.

Além disso, até a professora interpretada por Tina é um ótimo exemplo. Uma mulher na faixa dos 30/40 anos, divorciada e sem filhos, com mais de um emprego, é outra que sofre com os preconceitos da sociedade e, mesmo assim, é justamente quem apoia e inspira os alunos.

200-8

“Porque eu sou uma incentivadora. Eu incentivo as pessoas.”

E não vamos nos esquecer da participação de Amy Poehler, como a mãe de Regina George, uma mulher descolada que deixa as filhas fazerem o que quiserem, mas também perdida no espaço, com tantas imposições as mulheres de não envelhecerem, serem mães e amigas, além de cuidar da casa, linda e jovem, e sabe-se lá mais o que. Eu sei que ela não é um exemplo de pessoa mas, todas as mulheres sofrem com imposições machistas, isso não podemos negar.

200-5

Difícil, né?

E claro, a personagem que deixei pro final é Karen Smith, interpretada pela Amanda Seyfried. Ninguém a incentiva com suas ideias, sempre a lembram que ela não é considerada inteligente e ela mesma reproduz esse pensamento, e, pior ainda, é a quantidade de vezes que a chamam de “puta”. Na cena em que estão elegendo as meninas que vão disputar a rainha do baile de formatura, Regina diz que Karen nunca é escolhida, apesar de ser considerada bonita, porque ela fica com todos os meninos. E ai, lembram que não podemos ter muitos parceiros, senão somos isso ou aquilo?

200-7

#machistasnãopassarão

Na época em que assisti ao filme, eu tinha apenas 13 anos e ele teve muita importância no meu crescimento pessoal, porque eu vivi de perto muitos dos problemas mostrados no longa e consegui compreender, com o passar do tempo, o que estava por trás de tudo.

Justamente por isso que acho que o roteiro tem muita lição de moral pra todas as jovens meninas e meninos também, sobre a tortura que o ensino fundamental/médio é e como podemos evitar isso, quebrando os ensinamentos conservadores e destrutivos e dando espaço ao respeito e à individualidade.

Peço desculpa aos fãs, caso eu tenha falado algo de que não gostaram ou se esqueci de mencionar alguma coisa importante. Eu amo esse filme e o defendo loucamente porque ele me influenciou bastante e acredito que ainda influencie muitos pré-adolescentes, como eu já fui um dia, e a resolução de tudo é que tem espaço pra todas as diferenças dentro e fora do colégio e está tudo bem. Não precisamos nos encaixar nos padrões, temos que abrir a mente para novas formas de crescimento e aprendizado como grupo e como pessoas individuais. O trabalho de Tina me ajudou muito nesse sentido e mesmo não sendo o filme com maior quebra de tabus possíveis, até porque todos os protagonistas são brancos, lindos e ricos, ele tem questões importantes e que valem a reflexão.

Por fim, em breve farei um texto sobre a carreira e os trabalhos da Tina Fey e contarei sobre o que aprendi lendo seu livro autobiográfico Bossypants e como as séries e filmes dela me inspiram como jovem roteirista. Até breve.

200-2

Bibliografia

IMDB, Mean Girls, 2004. Disponível em: <http://www.imdb.com/title/tt0377092/&gt;. Acesso em: 28 dez. 2016.

WIKIPEDIA, Mean Girls, 2004. Disponível em:<https://pt.wikipedia.org/wiki/Mean_Girls&gt;. Acesso: 28 dez. 2016.

Rita Lee e Elis Regina: a amizade feminina que faltou no filme.

Na semana passada eu fui com meus pais assistir ao filme Elis. Faz alguns meses que eu vi o trailer e estava louca para prestigiar a história desse furacão de mulher.

Quando pequena não era muito fã de música brasileira, mas com o passar dos anos, me aproximei de pessoas que me influenciaram a escutar músicas nacionais.

Comecei me envolvendo com Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Titãs, Tim Maia, até que me encantei e me apaixonei por Rita Lee, e logo mais, Elis Regina. Admito que conheço muito pouco da vida pessoal de todos esses artistas, apesar das histórias surpreendentes, de força e luta.

No entanto, como comecei a apreciar suas canções, quando vi que teria um filme sobre Elis Regina, fiquei extremamente curiosa e ansiosa pela estreia. Eu sabia tão pouco, mas tão pouco da vida pessoal dela, que não fazia ideia da causa de sua morte.

De qualquer forma, ansiei pelo momento do lançamento do filme e, assim que lançou, arrastei meus pais ao cinema e juntos fomos nos arrepiar com a famosa Pimentinha.

É importante dizer que alguns dias antes de ir ao cinema, eu tinha lido uma ótima resenha do longa no site MdeMulher – “Um filme sobre os homens na vida de Elis Regina”. Esse texto me influenciou e, de certa forma, fui assistir a obra cinematográfica com várias questões em mente e, com os olhos nervosos por respostas, eis minhas conclusões.

O filme é muito bom, disso não há dúvidas. Eu fiquei encantada do começo ao fim, da fotografia ao som e ,principalmente, com Andreia Horta que está absurdamente feroz e encantadora. Se eu me incomodei com o playblack no começo do filme, no final eu já achava que ela e Elis eram uma só. Me encantei com tamanha performance e acho que Elis foi bem representada, além de ter sido a melhor personagem do filme, não só por ser a protagonista, mas porque o personagem foi bem desenvolvido.

elis-e-rita-foto

Rita Lee e Elis Regina.

Todavia, eu não pude deixar de notar o óbvio: Elis é a única mulher do filme que tem história e claro, isso porque ela é a personagem principal. Todos os outros que exercem um papel considerável na trama são homens. Inclusive nem a mãe de Elis aparece no projeto e, com isso, eu me perguntava a todo instante– será que veremos a mãe dela ao menos um segundo?

Além disso, fiquei igualmente intrigada em saber se Elis teve alguma amiga próxima e a resposta está no título desse texto. Rita Lee se tornou uma grande amiga de uma das maiores cantoras do Brasil, então por quê raios a Rita Lee não está no filme?

Eu sai do cinema e fiquei com milhares de questionamentos e essa semana resolvi ir atrás de algumas respostas e, assim, tive o prazer de assistir uma entrevista com Rita Lee e fiquei enlouquecida com tudo o que ela disse. Uma parte tão importante da vida de Elis e o roteiro e a direção de sua cinebiografia deixam isso de lado, como pode?

Entrevista com Rita Lee falando sobre sua amizade com Elis Regina.

Resumidamente, Rita Lee diz “A gente tinha se cruzado várias vezes durante os festivais da Record e ela não gostava mesmo, odiava Mutantes (…) Passou várias vezes por mim e não me viu (…) Eis que fui presa em 1976, e a primeira e única pessoa que foi me ver na cadeia, Elis (…) Ameaçando chamar a imprensa, queria me ver porque ela sabia que eu estava grávida que tudo aquilo era uma besteira, era plantado (…) Foi uma força bicho, uma coisa impressionante! E depois continuou porque ela sabia que eu sai da cadeia sem grana nenhuma, devendo minha alma e ela me chamou para fazer algumas coisas, me pediu música (…) A gente ficou muito amiga, tanto que a filha dela chama Maria Rita porque ela me chamava de Maria Rita.”

Uma pena essa relação não estar no drama, e me perdoem, mas nenhuma desculpa sobre arco narrativo irá esquecer essa falha na edição do longa-metragem. Uma parceria incrível, de onde surgiu uma amizade tão forte, a ponto de Elis nomear a filha fazendo uma homenagem a amiga. Tantos personagens masculinos dispensáveis e logo as mulheres que são deixadas de lado. Não há muita dificuldade em entender o motivo dessas escolhas, mas não entrarei nessa discussão.

Apesar dos pesares, no final da trajetória de Elis, é possível nos emocionarmos e sentirmos a dor da protagonista. Aos que já passaram por depressão ou tiveram fases muito difíceis na vida, é emocionante e dilacerante saber como esta querida cantora chegou ao fim. O filme não mostra ao fundo o por quê de tanta melancolia e sofrimento, mas nos deixa sentidos de uma grande perda nacional. Talvez sim os homens a tenham matado, mas somos nós mulheres que ainda nos orgulhamos e nos inspiramos nessa potência de mulher. Nunca serás esquecida, Elis, isso eu te prometo!

Sendo assim, mesmo com essa falha monstruosa no roteiro, vale a pena a ida ao cinema. Felizmente o cinema nacional deste ano está surpreendente, tanto na qualidade técnica, quanto na narrativa em si. Mas obviamente, não podemos deixar de notar os erros, mas devemos fazer críticas construtivas para que nos próximos projetos, o público se incomode cada vez menos e se apaixone cada vez mais por filmes brasileiros.

elis-e-rita

Elis e Rita.

Bibliografia

WARKEN, Julia.Um filme sobre os homens na vida de Elis Regina. 2016. Disponível em: http://mdemulher.abril.com.br/cultura/um-filme-sobre-os-homens-na-vida-de-elis-regina/